CRÔNICA DE NATAL | Salesiano Rocha Miranda

CRÔNICA DE NATAL



Quando eu era criança a chegada do Natal despertava em mim ansiedade  e  alegria. Ansiedade  em relação aos brinquedos que Papai Noel deixaria sob a minha cama e  a alegria por reencontrar tios e primos para saborearmos juntos com toda a família as guloseimas da ceia de Natal. Todo aquele encantamento refletido nas decorações das casas, nas reluzentes árvores de Natal , nas ternas canções e no mais emocionante entre todas as manifestações do espirito natalino, o presépio, me fascinavam e  confesso,  me fascinam até hoje mesmo após décadas de uma cega e desenfreada evolução material e comercial de nossa sociedade.

A magia do Natal e a sua eterna mensagem de paz está e sempre estará acima da intelectualidade, da ideologia e da religiosidade. O Natal é um acontecimento precioso e singelo demais para ser comparado a outros eventos e festejos presentes anualmente em nosso calendário.

Muitas pessoas insistem em considerar o Natal uma data triste imaginando entre os ramos de seus pinheirinhos, as suas amargas recordações e os fatos marcantes ainda não cicatrizados em seus corações. Não devemos festejar o Natal com euforia mas com reverência, celebrando com  simplicidade e respeito, o nascimento de Jesus e o nosso renascimento.

Hoje eu vejo e sinto o Natal  ser comemorado  de muitas formas e ser definido por várias interpretações. Mas Deus não trouxe o Natal  até nós para ser ignorado ou para ser definido; o Natal existe para ser vivido. Não de fora para dentro mas de dentro para fora de nós. É por isso que mesmo os mais céticos, os mais avessos às tradições natalinas sentem-se diferentes nesta época do ano; todos nós somos envolvidos por uma aura de solidariedade que faz nos sentirmos renovados, esperançosos e mais felizes apesar das decepções e dos fatos desestimulantes que somos obrigados a conviver diariamente.

O Natal é real e deve ser vivido em toda a sua humildade, em toda a sua verdade e em toda a sua plenitude em cada dia de nossas vidas.

 

Autor: Francisco José de Souza. 18/12/15.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *