Acreditemos, o futuro será melhor! | Salesiano Rocha Miranda
Rede Salesiana de Escolas

Acreditemos, o futuro será melhor!



Acreditemos, o futuro será melhor!

Por diversas vezes fui estimulado, por amigos e educadores, a partilhar publicamente alguma reflexão sobre a atual situação em que a sociedade brasileira está vivendo! Tenho acompanhado os fatos moralmente dramáticos da política brasileira e refletido como posso e com minha sensibilidade!

As redes sociais nos apresentam um vasto oceano de ideias e sentimentos de todo tipo! Creio que diante de tudo o que vemos e ouvimos, como cidadãos, mais que “apontar o dedo” e “jogar pedra”, “atacar e condenar” por instinto, somos chamados à reflexão. Toda realidade social é sempre complexa!

Parece que o povo, no calor das discussões causado pelo impacto dos fatos indignantes, está perdendo a visão da totalidade inflamando-se emocionalmente. A visão reducionista dos fenômenos (problemas) sociais não leva em conta a história com sua pluridimensionalidade. Uma mais aprofunda e ampla visão da realidade é necessária. Creio que precisamos de mais reflexão! É isso que gostaria, na minha condição de sacerdote e educador, de lhe oferecer com o presente texto.

  1. A HISTORIA É DINÂMICA: a história das nações por todo o mundo, bem como das grandes instituições, são sempre marcadas por tensões, conflitos, reivindicações, discussões, debates, perdas e conquistas… É assim que os países progridem e a humanidade dá passos decisivos. As grandes revoluções da humanidade são exemplo disso! Sem tensão não há movimento; sem movimento, não há mudanças; sem mudanças, não há história!
  2. VISÃO DO TODO: não podemos reduzir tudo o que está acontecendo como se fosse problema de uma dimensão causado por alguns infelizes sujeitos. Nossos problemas e fragilidades são transversais, perpassam todas as dimensões da sociedade: a política influencia a economia, a economia condiciona a política, a cultura de modo geral (a mentalidade do povo) reflete a educação e gera o perfil e a robustez das instituições. Tudo está em relação.
  3. NEM TUDO VALE: as mudanças sociais mais significativas não são gratuitas, não vem por acaso! Isso vale tanto para a nossa vida pessoal, como também, para a história das nações. Mas nem tudo vale: não vale apelar para a violência; não vale incitar o ódio; não vale condenar sem conhecer os fatos; não vale em nome da justiça, promover a injustiça; não vale dividir o país entre “santos e pecadores” (com uma visão maniqueísta); não vale fingir que nada está acontecendo; não vale em nome da defesa dos direitos promover a lapidação do patrimônio público; não vale a difamação sumária por antipatia; não vale encurtar caminhos promovendo ações justiceiras! Enfim, não vela a pena perder a serenidade, tornar-se agressivo, revoltado, violento e reproduzir, com gestos e palavras, os males que tanto se condena!
  4. UMA DUPLA DÍVIDA: hoje fala-se muito de “DÍVIDA PÚBLICA”, de ineficiência das políticas de governo, da negligência “dos líderes políticos” … é verdade! Mas também não podemos esquecer outra e grave dívida, é a DÍVIDA DO CONTROLE SOCIAL, é a DÍVIDA DA NEGLIGÊNCIA e indiferença dos cidadãos, é a dívida da falta de sensibilidade preventiva, de acompanhamento dos governantes… é a dívida da falta de cultura política! Uma sociedade onde as instituições de controle social padecem de certa dormência, a sua representatividade é ineficaz…
  5. RESPONSABILIDADE SOCIAL: a delicada situação pela qual está passando a sociedade brasileira, sobretudo na esfera político-governativa e empresarial, constitui um grito contra a irresponsabilidade social. Quando uma instituição perde a sua função social, cai inevitavelmente na degradação moral, tendo a corrupção como doença mais grave que a leva à morte. O fato de termos políticos e empresários, como ricos milionários, sendo acusados, investigados, presos, julgados e condenados por crimes… porque ofenderam os direitos sociais, é um grande recado! É uma gloriosa lição! É uma semente de Esperança!
  6. REFORMA POLÍTICA: não basta acusar crimes, condenar pessoas, promover operações policiais, é preciso mudança do sistema da organização política com suas instituições (mediadoras) ineficazes, estéreis, que servem como cabide de emprego… É preciso transformar a estruturas organizacionais e político-partidárias arcaicas e pesadas, que geram distanciamento entre governo e povo, e promover mudança para uma estrutura de serviços mais simples, sóbria, econômica e eficaz… Isso é urgente! O paquiderme branco da estrutura política nacional está doente e, por isso, se move com dificuldade, caminha lentamente, está gemendo… e ainda com muitos subterfúgios!
  7. EDUCAÇÃO E LIDERANÇA: a situação pela qual o povo brasileiro está passando, assim como outros países latino-americanos, nos fala da urgência da promoção da Educação de qualidade capaz de gerar lideranças autênticas! A pseudocultura (falsa cultura) da corrupção e da mentira, do “jeitinho” e do “esquerdinho”, do “populismo amistoso”, do “toma lá e dá cá” (o favoritismo), nos fala da urgência da educação moral e ética: da promoção dos valores, do estímulo à formação da consciência ética, do desenvolvimento de uma cultura da alteridade (respeito para com os outros) e de padrões de serviço baseados na dignidade humana. Não basta termos leis, se ainda, como povo, não adquirimos a consciência de respeito à legalidade e integridade ética. Legalidade e eticidade devem ser assimiladas e caminhar juntas.
  8. AS DORES DE UM PARTO: a atual situação pela qual está passando o povo brasileiro me fala de esperança; é como que as dores de um parto que trará à luz processos de promoção uma nova sociedade, com renovadas e mais profundas aspirações, uma mais viva consciência social de direitos e deveres! É a dor da verdade e gera justiça… e, essa dor, somos sempre chamados a experimentá-la e vivenciá-la! Renovemos a Esperança! O pessimismo não tem futuro!
  9. SONHAR: sonhemos com homens e mulheres simples, sóbrios e sábios nos governos; sonhemos com homens e mulheres sensíveis, altruístas e éticos ocupando postos de liderança onde necessário for; sonhemos com instituições leves, ágeis, sérias e fortes que não estejam à mercê do interesse de indivíduos; sonhemos com empresas verdadeiramente alimentadas pela consciência de responsabilidade social produzindo bens e promovendo serviços com espírito ético. Cada um é chamado a fazer a sua parte! Acreditemos: o futuro será melhor!

Padre Antônio Ribeiro
Vice-inspetor da Inspetoria Salesiana de Manaus


2 thoughts on “Acreditemos, o futuro será melhor!

  1. Padre, primeiro boa noite!
    Parabéns pela excelente reflexão.
    … Sim, o futuro será bem melhor. Acredito
    profundamente nesse ponto de vista…
    Nosso objetivo é sempre andar em uma linha
    tênue rumo ao futuro e não acredito que
    está ou aquela ação nos faz andar para trás.
    … Obrigado pelas palavras. Falaria muito
    mais, mas vamos oprtunizar outras oportunidades.
    Abraços
    Schuab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *